espiritualidade e vida cristã · viagem

.damas.

Os dois meninos entram correndo na praça deste lado da lagoa. Trazem nas mãos pedras e flores. Na mesa quadriculada, ao lado da minha, colocam as pedras nos quadrados vermelhos e as flores vermelhas nos quadrados brancos. Deixo de lado os pensamentos que se confundem, na tentativa de desmistificar minhas próprias emoções e entender as fraquezas que não consigo superar. Curiosa, observo o jogo. Eles estão animados. Aos poucos, vencem as peças do adversário. Um deles consegue chegar primeiro ao outro lado do tabuleiro. Forma uma dama e se fortalece para vencer as pedras inimigas.

Tendo pedras ou flores, debilidades ou fraquezas pessoais impossíveis de consertar, fora do tabuleiro não pareço adequada para qualquer desafio. Nada mais que uma simples pedra, irregular, cheia de terra, uma flor com as pétalas murchas. Porém, não ter as peças certas não impediu aqueles meninos de jogar. Isso porque independente do formato delas, o propósito do jogo não muda: chegar ao outro lado, não se perder no caminho ou ser tirado da partida pelas peças adversárias.

Quando decido jogar, uma vez no tabuleiro, só uma coisa importa: atravessar.

19.11.11 / Triunfo – PE

Nas praças, ao redor da lagoa no centro da cidade, lugares perfeitos para sentar e refletir entre um trabalho e outro
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s