espiritualidade e vida cristã · ultimato

Jacó, por causa de Esaú

Anoiteceu. Meus temores não me deixam dormir. Tudo está quieto lá fora. Por dentro, os anseios e pensamentos são como trovões que não se calam. Amanhã será um grande dia. Amanhã nós nos reencontraremos…

Em alguns meses fará vinte anos desde que nos sentamos e conversamos pela última vez, como verdadeiros irmãos. Consegue acreditar que faz tanto tempo? Ainda lembro-me do seu sorriso do outro lado da mesa, na casa de nossos pais, na nossa última conversa amigável. A madrugada estendia-se e nós queríamos apenas estar juntos. Que saudades daquele tempo, quando éramos melhores amigos! Podia olhar em seus olhos e saber o que estava pensando. Podia saber suas preocupações, dividia contigo suas alegrias. Onde foi que nos perdemos um do outro?

Desde que nos separamos, comecei a pensar nestas cosias. Aliás, não teve um dia sequer em que não pensei em você. Vivemos tantas coisas juntos, meu irmão! Quantas histórias, quantos momentos no campo, quantas caçadas! Sim, nós sempre brigamos muito, mas, ao mesmo tempo, éramos tão semelhantes quanto podem ser duas pessoas geradas ao mesmo tempo. Como melhores amigos se tornam inimigos? Quando esta bagunça toda começou?

Em nossas conversas, você falava dos anseios de seu coração de homem, falava de coisas de irmão mais velho que eu não podia entender naquele momento. Agora percebo quantas vezes você desejou que eu apenas o entendesse e escutasse. Entrava em meu quarto, sentava-se no chão e eu sabia que tinha algo para me dizer. Talvez a falha tenha sido totalmente minha. Porque lá no fundo, apesar de apreciar sua companhia, eu não o entendia. Não sei se queria entendê-lo…

A verdade é que sempre desejei ser como você. Eu o invejava. E não era só sua primogenitura. Eu queria a sua simpatia, o seu jeito com as pessoas, a sua forma de encarar a vida. Ah sim, eu queria ser você. Queria que nosso pai olhasse para mim com o mesmo orgulho com que te olhava. Queria que ele se alegrasse de meus feitos da mesma forma como se alegrava dos seus. Ah, eu queria ser você! E onde tudo isso nos levou?

Eu via em você um herói. Quando você perdeu este lugar em minha vida, não consegui encontrar outro onde pudesse colocá-lo. Sabe quando você vendeu sua primogenitura? Sim, foi naquele momento que parei de ver Deus em você. Como você pode fazer aquilo? Trocar sua herança, o seu direito de Filho, por um prato de comida?

Que decepção! Que dor! Foi impossível pra mim lidar com tamanho desapontamento! Não podia mais ver o Senhor em você, não podia mais ver nossas semelhanças. Só via nossas diferenças gritantes.  E, por causa deste meu julgamento negativo sobre você, permanecer perto tornou-se uma ameaça para mim. Não havia mais motivos para andarmos juntos.

Ter feito de você meu inimigo, um amigo me disse, foi nada mais do que uma tentativa de responder perguntas sobre mim mesmo: quem sou e quem não sou. Naquele tempo, não sabia quem eu era, mas tinha certeza que você já não era mais o que eu gostaria de ser. Enchi-me de orgulho e achei-me superior. Não havia mais nada que pudéssemos compartilhar.

Afastei-me. Quando chegou a hora, tomei seu lugar, como se esta fosse a coisa mais certa a fazer. Mais tarde, cheio de culpa e medo, fugi de tua presença. Eu não podia mais encará-lo depois do que aconteceu. Fui para terras distantes, subi escadas, vivi sonhos, encontrei anjos, peregrinei, trabalhei duro por muitos anos, andei com Deus. Todas as noites, antes de dormir, meu pensamento voltava para você. Sentimentos confusos. Como entender isso de sentir tanta raiva de quem, ao mesmo tempo, sente-se tanta falta? Não sei dizer o que gritava mais forte dentro de mim: o ódio de meu inimigo ou a dor de ter perdido meu melhor amigo.

Tivemos nosso tempo, cada um no seu canto, e agora é hora de voltar. Não posso mais viver com este conflito. Precisamos resolver isso, meu irmão! É meu momento de deixar estas terras e encarar o que tento esquecer. É meu momento de voltar para você, só por causa de você, meu querido Esaú. Mas estou com tanto medo! Como será reencontrá-lo? Será que irá me perdoar ou  virá correndo até mim, com o coração cheio de ódio e intenções de me matar? Será que me reconhecerá quando nos virmos? E se tivermos nos tornado completamente estranhos um para o outro?

Nos últimos dias, enviei mensageiros, enviei presentes, palavras agradáveis, pedidos de desculpas. Enviei bons pensamentos, parte de minhas conquistas para dividir com você. Quem sabe assim consiga abrandar seu coração antes do grande dia. Quem sabe…

Continua chovendo e eu aqui, nesta casa estranha. Comigo, trago tudo o que alcancei desde que nos separamos: mulheres, filhos, posses. De que me adianta tudo isso, se você me matar amanhã? De que me adianta tudo isso, se perdi você? Estou com tanto medo! Estou apavorado! Sinto-me tão sozinho!

Disseram-me que só haverá reconciliação se antes de encontrar-me contigo, eu tiver um encontro com Deus e outro comigo mesmo. Então, passarei mais esta noite aqui. Vou lutar com Deus até o amanhecer. Estarei face a face com Ele e sei que mudará meu nome. Irá marcar-me para sempre antes de eu continuar minha jornada.

Amanhã nos encontraremos. Estaremos juntos! E espero que você me perdoe.

 

*Texto escrito a partir da leitura do livro de John Lederach – The Journey Toward Reconciliation (sem tradução na língua portuguesa), sobre como criamos inimigos, o processo de reconciliação e os encontros necessários para que ela aconteça. História de Esaú e Jacó: Gênesis 25-33. Momento de conflito de Jacó antes de reencontrar-se com seu irmão: Gênesis 32.21-32.

**Inicialmente publicado em Ultimato Jovem.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s